SUEZ Water - Água e tecnologias de água

Plataforma de teste de endotoxinas bacterianas (BET) Sievers Eclipse

Tecnologia inovadora que fornece automação e conformidade

A inovadora plataforma Sievers Eclipse reduz o tempo de especificação do ensaio em até 85% e reduz o uso de reagente Limulus Amebocyte Lysate (LAL) em até 90%, enquanto cumpre os requisitos da farmacopeia harmonizada: USP <85>, EP 2.6.14 e JP 4.01. Por meio de tecnologia inovadora, a plataforma Eclipse diminui significativamente as etapas de pipetagem, reduz a variabilidade de operador a operador e simplifica a especificação do ensaio. A plataforma Eclipse utiliza manuseio líquido de microfluidos e endotoxinas integradas para automatizar ensaios cromogênicos cinéticos. A produção de 21 amostras por placa é mantida sem a complexidade da robótica ou das demandas de tempo e técnicas de um ensaio tradicional.

Download do folheto (PDF)

Testagem em conformidade, coerente e com endotoxinas sensíveis a bactérias

A plataforma Eclipse obtém automação e precisão em ensaios BET sem sacrificar a conformidade, a bioquímica da reação ou a área ocupada no laboratório. Usando padrões de endotoxina integrada e controles de produto positivo (PPCs), com somente <30 etapas de pipetagem, as microplacas patenteadas Sievers Eclipse fornecem automação sem a complexidade ou as despesas da robótica.

Características e benefícios

Características e benefícios laboratoriais da plataforma Eclipse

  • Possibilita a especificação de ensaio totalmente em conformidade, com 21 amostras em 9 minutos
  • Reduz o uso de reagente Limulus Amebocyte Lysate (LAL) em até 90%
  • Cumpre todos os requisitos da farmacopeia harmonizada: USP <85>, EP 2.6.14 e JP 4.01
  • Endotoxinas integradas para curva padrão e PPCs
  • Fornece segmentos para curvas padrão, amostras e PPCs
  • Sensibilidade até 0,005 EU/mL
  • Solução de software empresarial que cumpre com a CFR 21 parte 11 e com as diretrizes de integridade de dados
  • Diminui a necessidade de treinamento extenso do operador
  • Reduz o risco de lesão por esforço repetitivo
  • Aumenta a produção diária de amostras
  • Usa LAL disponível comercialmente, licenciado pela FDA
  • Controla a temperatura de reação em 37 +/- 1 °C com o uso do analisador de absorção de incubação

Especificações

Especificações do Eclipse

Especificações do sistema

Método BET Cromogênico cinético
Modo de detecção Absorção
Faixa 0,005-50 EU/mL
Precisão ≤ 15% CV de tempo de início
Exatidão 50-200% de real
Tipo de amostra Aquosa, injetada por pipeta
Calibragem Até 12 meses
Tempo de análises Até 2 horas
Temperatura da amostra 37 ± 1 °C
Temperatura ambiente 17 - 30 °C
Capacidade Até 21 amostras em duplicidade com controles de produto positivo
Controle de temperatura 37 ± 0,5 °C
Fonte de iluminação Emissor de LED
Detecção de falha de fluidos Emissor de 1450 nm
Precisão óptica ≤ 5% de desvio do valor esperado
Linearidade óptica R-Valor ≥ 0,980
Filtro óptico de comprimento de onda 405 nm
Intervalo de leitura 5 segundos

Especificações do analisador

Saídas Digital via USB
Tela OLED
Requisitos de energia 100-240 Volts AC @40/60 Hz
Fusíveis

Fusível T 8 A 250 VAC, tamanho 5 x 20 mm. SOMENTE Littlfuse 218008 ou Cooper Bussmann S506-8-R.

Dimensões Altura: 17,5 cm (6,9 pol.); Largura: 35,1 cm (13,8 pol.); Comprimento: 50,3 cm (19,8 pol.)
Peso 10 kg (22.1 lbs)
Certificações de segurança UL 61010-1:2012Ed.3+R:20Apr2016, CSA C22.2#61010-2-020, CSA C22.2#61010-1-12:2012Ed.3+U1;U2, IEC 61010-1:2010 Ed.3+C1;C2, UL 61010-2-010:2015Ed.3, IEC 61010-2-010:2003Ed.2, UL 61010-2-020:2016Ed.3, IEC 61010-2-020:2016Ed.3, CSA C22.2#61010-2-010:2015Ed.3

Ambiente

Umidade relativa máxima 85%, sem condensação
Altitude máxima 3.000 m (9,800 pés)
Grau de poluição 2

Componentes

Componentes da plataforma Eclipse

  • Analisador: analisador de absorção com controle de incubação constante a 37 °C, tecnologia centrífuga e transmissão de dados segura.
  • Microplaca: dispositivo de manuseio preciso de líquido que obtém automação por meio de tecnologia de microfluido inovadora com padrões de endotoxina integrada e controles de produto positivo (PPCs).
  • Software: solução empresarial altamente personalizável com recursos de conformidade com a CFR 21 Parte 11 e integridade de dados ALCOA+.

A microplaca Eclipse, em conjunção com o analisador e software Eclipse, usa força centrífuga e câmaras pneumáticas para medir e distribuir de modo uniforme quantidades precisas de água de reagente LAL, amostras e LAL em 104 poços ópticos. Os poços ópticos incluem segmentos para curvas padrão, amostras e PPCs. A reação é controlada a 37 +/-1 °C e a visão de alta definição de cada poço é obtida com leitura a 405 nm a cada cinco segundos.

Recursos

O que é endotoxina bacteriana?

Endotoxinas bacterianas são encontradas na membrana externa da parede celular de bactérias Gram-negativas. O efeito da endotoxina de bactérias Gram-negativas é derivado principalmente do componente lipídio A de lipopolissacarídeos (LPS) que pode pôr em ação respostas pirogênicas (indutoras de febre) que podem ser perigosas e até mesmo fatais quando encontradas acima de certas concentrações na corrente sanguínea e em outras secreções fisiológicas. O teste de endotoxina é necessário nesses setores, porque certos produtos farmacêuticos e dispositivos médicos entram na corrente sanguínea. Devido à toxicidade potente e ao impacto na segurança do paciente, as endoxinas são reguladas de forma geral pela FDA dos EUA e pela farmacopeia internacional para qualquer produto de ciências da vida que terá contato com sangue humano e/ou animal.

Por que testar se há presença de endotoxinas bacterianas?

No setor de produtos farmacêuticos, dispositivos médicos e outras ciências da vida, testar para identificar a presença de endotoxinas é crucial para a segurança do paciente e para o controle de qualidade. Os testes de endotoxina são realizados em sistemas de água de grau farmacêutico, incluindo água para injeção (WFI) que é usada como água de processo incorporada, e produtos finalizados, tais como medicamentos, medicamentos para animais, produtos biológicos e dispositivos médicos. Produtos médicos e farmacêuticos testados incluem produtos de medicamentos parentais (administrados por meio de injeção, tais como intravenoso, subcutâneo, intramuscular e intradérmico) e dispositivos médicos que tenham contato direto ou indireto com o sangue, o sistema cardiovascular, o sistema linfático e o líquido cerebroespinhal. A farmacopeia internacional (USP <85>, EP 2.6.14 e JP 4.01) descreve os requisitos para o teste de endotoxinas bacterianas (BET) e os limites de endotoxina. As diretrizes da FDA contêm recomendações a fabricantes de produtos biológicos, medicamentos e dispositivos sobre a posição atual relacionada a recomendações de testes e a critérios de aceitação cobertos em procedimentos de compêndio.

Como é feito o teste de endotoxina?

Por quase 40 anos, a FDA dos EUA aceitou o teste lisado de amebócitos de Limulus (LAL) como um teste de produto acabado para as endotoxinas.  Este ocupa o lugar do teste de pirogênio em coelho, e é um ensaio in vitro que pode detectar a presença e a concentração de endotoxinas bacterianas. Nos testes LAL, o lisado do sangue de caranguejos-ferradura (Limulus Polyphemus) reage com endotoxinas bacterianas para indicar a presença de endotoxinas em uma amostra. O teste LAL tem três metodologias principais: gel-clot, turbidimetria e cromogênia. No método gel-clot, o LAL e a amostra são misturados. Em seguida, o operador busca formação de gel no tubo de reação. Os resultados são provenientes da interpretação subjetiva de formação de coágulos, e, portanto, o método gel-clot é um teste qualitativo. Nas metodologias de turbidimetria e cromogênia, as amostras são misturadas com reagente LAL e a mudança de cor ou turbidez são mensuradas ao longo do tempo. Os ensaios de cromogênia e turbidimetria são quantitativos e demonstram a quantidade de endotoxina presente. Os resultados são calculados com base em uma curva padrão. Os limites e os requisitos de endotoxina para condução de BET são descritos na farmacopeia internacional USP <85>, EP 2.6.14 e JP 4.01. Um novo capítulo geral na farmacopeia europeia descreve um método para BET usando fator recombinante C (rFC) em vez do método clássico baseado em LAL.

Quanto de reagente LAL é usado com a plataforma BET Sievers Eclipse?

Com somente 1 mL de reagente LAL, 21 amostras podem ser analisadas na plataforma Eclipse. Ao diminuir o uso de lisado de límulo (horseshoe crab, HSC) em 90%, a plataforma Eclipse reduz a demanda sobre este recurso natural valioso e fornece um ensaio BET totalmente em conformidade, que a população mundial de HSC pode tolerar.

A plataforma BET Sievers Eclipse está em conformidade?

Sim. A plataforma Eclipse usa LAL disponível comercialmente e autorizado pela FDA e cumpre com todos os requisitos da farmacopeia internacional normalizada, USP <85>, EP 2.6.14 e JP 4.01. A testagem de endotoxinas bacterianas com a plataforma Eclipse inclui: curva padrão mínima de três pontos de forma duplicada usando endotoxina normalizada; amostras e PPCs de forma duplicada; controles negativos de forma duplicada; qualificação de lote de análise e lisado de forma triplicada; uso de LAL autorizado pelo FDA. Também cumpre com a CFR 21 parte 11 e com as diretrizes de integridade de dados

As curvas padronizadas são automatizadas com a plataforma Sievers Eclipse?

Sim. Tradicionalmente, para ensaios de endotoxinas em conformidade, o usuário final deve construir pelo menos uma curva padrão de três pontos de forma duplicada de um frasco de estoque de endotoxina padronizada; deve ter controles negativos duplicados; e deve analisar cada amostra de modo duplicado com um PPC, também duplicado. Com a plataforma BET Sievers Eclipse, essas fases são automatizadas com o uso de padrões de endotoxinas pré-carregados variando até uma curva padrão de cinco pontos e PPCs pré-carregados. Desse modo, basta ao usuário final carregar água na BET e amostras na placa sem trabalho preparatório adicional. O resultado é a capacidade de configurar um ensaio em 9 minutos, em comparação a mais de 60 minutos que outras plataformas exigem.